Contacte-nos

A APEF tem a sua sede social na Rua António Cândido número 154, 4200-074 Porto.

Para nos contactar utilize o formulário à direita ou remeta a sua correspondência online para o seguinte e-mail: apef@apef.pt

Para mais informações, consulte a página Quem Somos.

Caso queira contactar um departamento/membro do executivo/outro Órgão Social em particular, consulte a página Órgãos Sociais.

Nome *
Nome

Rua António Cândido, 154
4200-074 Porto
Portugal

A Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia, adiante designada por APEF é uma associação sem fins lucrativos, representativa dos interesses dos Estudantes do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas (MICF), representados pelas suas Associações/Núcleos de Estudantes Membros efectivos da APEF.

woman-typing-writing-windows.jpg

Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos

Antes de se comercializar um medicamento, é necessário, em primeiro lugar, demonstrar a sua eficácia, qualidade e segurança. Por forma a garantir os resultados pretendidos nestes três critérios, são feitos vários ensaios clínicos, nos quais se vão recolhendo informações que suportam os dados que irão servir de base ao processo de obtenção de Autorização de Introdução no Mercado (AIM).

 

Assuntos Regulamentares

O Departamento de Registos e Assuntos Regulamentares é um departamento de interesse estratégico, essencial para o bom funcionamento de uma empresa farmacêutica. É nele que se encontra toda a documentação farmacêutica, clínica e toxicológica referente a cada medicamento. Todos os documentos elaborados fora deste departamento, incluindo os materiais promocionais, deverão estar em concordância com a documentação submetidas às Autoridades Reguladoras para efeitos de obtenção e manutenção de Autorização de
Introdução no Mercado (AIM). O DR existe para dar resposta à crescente exigência por parte das Autoridades Reguladoras na comercialização dos seus produtos: Medicamentos de Uso Humano, Veterinário e Dispositivos Médicos. Destas exigências destaca‐se a satisfação de rigorosos critérios de qualidade, segurança e eficácia. O DR tem sob a sua responsabilidade vários aspetos relacionados com o ciclo de vida do medicamento, desde o seu desenvolvimento até à sua comercialização. A regulação desta área de intervenção é expressa
pela existência das boas práticas regulamentares (publicadas pela Ordem dos Farmacêuticos em 2004).

 

Distribuição Grossista

A máxima da distribuição farmacêutica é o compromisso que o setor assumiu na fileira do medicamento, isto é, garantir que o produto farmacêutico, pela sua especificidade, esteja acessível no local mais próximo e no imediato para o utente, ou seja, na farmácia.

A distribuição grossista farmacêutica é uma atividade licenciada e regulada pelo INFARMED, sujeita a legislação específica e regulamentada pelas normas de Boas Práticas de Distribuição, cumprindo todos os critérios para que o medicamento cumpra o seu objetivo, prevenir ou contrariar a doença com segurança. 

A Distribuição Farmacêutica desempenha um papel fundamental na política de saúde pública nacional, com uma posição central no circuito dos produtos farmacêuticos e uma responsabilidade social ativa através da participação em Protocolos com o Estado (Protocolo
da Diabetes Mellitus) e em Projetos, como o da Valormed.

As 8 empresas de Distribuição Farmacêutica full line existentes em Portugal empregam cerca de 2.000 trabalhadores e distribuem medicamentos, dispositivos médicos, produtos de dermocosmética, dietética e outros, no valor anual aproximado de 1.7 mil milhões de euros, através dos seus cerca de 30 armazéns. Encarregam-se de toda a logística do medicamento, assegurando a contínua e atempada disponibilização de produtos nas farmácias e outros estabelecimentos de saúde, apresentando um serviço intensivo com um alto nível de
automatismos, controlo de qualidade e eficiência, elevado e constante investimento em alta tecnologia e infraestruturas de topo. Estas empresas são um importante elo de ligação entre os Laboratórios Farmacêuticos, as Farmácias e outros estabelecimentos e, por
consequência, os cidadãos em benefício dos quais desenvolvem a sua atividade. 

Quanto ao papel do Farmacêutico nesta área, a sua presença é obrigatória na componente de Direção Técnica. A função pode abranger:
- Conhecimento profundo da legislação farmacêutica em vigor;
- Assegurar o cumprimento das Boas Práticas da Distribuição;
- Controlo de substâncias psicotrópicas/estupefacientes;
- Controlo de qualidade;
- Adequação das condições de transporte e armazenamento às especificidades dos produtos.