Contacte-nos

A APEF tem a sua sede social na Rua António Cândido número 154, 4200-074 Porto.

Para nos contactar utilize o formulário à direita ou remeta a sua correspondência online para o seguinte e-mail: apef@apef.pt

Para mais informações, consulte a página Quem Somos.

Caso queira contactar um departamento/membro do executivo/outro Órgão Social em particular, consulte a página Órgãos Sociais.

Nome *
Nome

Rua António Cândido, 154
4200-074 Porto
Portugal

A Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia, adiante designada por APEF é uma associação sem fins lucrativos, representativa dos interesses dos Estudantes do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas (MICF), representados pelas suas Associações/Núcleos de Estudantes Membros efectivos da APEF.

Bélgica

Nome : Guilherme Monteiro Ferreira

Profissão : European Government Affairs na GlaxoSmithKline

País : Bélgica

“Os Assuntos Governamentais podem não parecer, à primeira vista, a opção de carreira mais óbvia para um farmacêutico, no entanto, a nossa forte componente científica e clínica num mundo de advogados e de licenciados em Ciências Políticas destaca-se pela positiva. Isto ocorre não só a nível externo quando a discutir tópicos do setor com decisores políticos, como também a nível interno ao poder melhor analisar o impacto nos diferentes processos do circuito do medicamento que certas legislações possam ter, e o seu impacto no consumidor final – os utentes.

A opinião exposta está relacionada com o meu cargo em European Government Affairs  que desempenho na GSK (GlaxoSmithKline), em Bruxelas, desde 2013 (depois de uma passagem pelo Pharmaceutical Group of the European Union em 2012-2013). Sendo uma posição a nível central, no meu dia-a-dia, estou mais focado a nível externo, pela representação da empresa em diferentes associações relacionadas com a indústria farmacêutica, bem como por conhecer, compreender e influenciar o rumo que diversos tópicos e legislações possam constituir oportunidades ou obstáculos para a indústria farmacêutica, saúde pública e doentes que beneficiam dos medicamentos produzidos pela indústria farmacêutica inovadora. No meu caso, isso passa por contato direto e indireto com Eurodeputados, representantes dos diferentes governos Europeus, e funcionários da Comissão Europeia. Ainda a nível externo, o contato e parcerias com associações de doentes, e demais organizações da Sociedade Civil no ramo da saúde, torna-se fundamental uma vez que muitas das vezes os interesses de tão díspares grupos estão alinhados.

No entanto, qualquer posição estratégica, a nível legislativo, que a empresa adote faz com que a minha posição também tenha um grande fator de coordenação interna com outros departamentos e com as diferentes networks internas de assuntos governamentais e de relações com associações de doentes.

“Ficar em Portugal ou emigrar?” foi uma questão que desde cedo me coloquei. Tudo ficou mais claro com o meu envolvimento de 2009 a 2013 na European Pharmaceutical Students’ Association (EPSA). Ao dar este passo e envolver-me numa organização Europeia, muitas portas de conhecimento se abriram, sendo uma delas a dos Assuntos Governamentais a nível Europeu, e o impacto que as decisões tomadas em Bruxelas têm sobre todos nós enquanto cidadãos e (futuros) utentes de serviços de saúde.

Foi também através do meu envolvimento na EPSA que notei que para emigrar, e para grande parte dos cargos na indústria farmacêutica, não é necessário nenhum procedimento prévio ou reconhecimento profissional no país de destino dentro da União Europeia.

O envolvimento em associações de estudantes, ONG’s, etc., é, para mim, um dos fatores diferenciadores, pela positiva, que vos pode ajudar (estudantes de farmácia) a entrarem no mercado de trabalho. Por várias razões, que são valorizadas pelo vosso futuro empregador. Tal envolvimento demonstra pró-atividade, capacidade de trabalhar em equipa e conhecimento de tópicos que não seria possível sendo um “simples estudante”. Isto leva a que também exista um enriquecimento individual dos envolvidos, quer a nível pessoal ou profissional, sobretudo pela maior compreensão e treino em diferentes soft-skills, dando uma grande preparação para a entrada no mercado de trabalho. O envolvimento neste tipo de atividades leva também ao crescimento da rede de contactos de cada um, que hoje em dia é essencial para uma carreira de sucesso, consideravelmente mais importante do que diferenças na média de curso.

Pensem neste último parágrafo, e diferenciem-se. Vão agradecer a vossa decisão mais tarde.”